Tags

, , ,

Pena de Morte:

“Antes de se ter pena de morte, há de se ter pena dos vivos, doutor”. Acredito que era Bezerra da Silva (ou outro sambista do qual me foge o nome, e o senhor Google deixou de apontar) que professou esta maravilhosa frase. Há diversos estudos, mas algumas estatísticas desconstruídas básicas nos ensinam que há uma forte correlação entre a pena de morte e a diminuição e aumento de nada, absolutamente nada. O pensador-economista de “Freakonomics”*, Steven Levitt, já comprovou estes espantosos números com seus estudos mais de uma vez. O mesmo pensador encontrou outras medidas que, seguindo a mesma ciência, estão correlecionadas à diminuição da violência e o aumento da colaboração civil, sim, mas estas são justamente aplicadas em maior volume e qualidade em estados que não usam ou sentenciam a pena de morte.

Immanuel Khant não tinha como saber disso em seus tempos. Nós temos, e não temos a menor desculpa de persistir em soluções ineficientes. Khant dizia que matar um inocente é sempre proibido e, assim, matar alguém que matou alguém é sempre obrigação. Khant diria que “fazer o certo é difícil.” Concordo, mas não precisa ser débil-mental.


*Sinto muito apenas inserir o link em Ingles. O Google brasileiro deixa de apontar muitas coisas que deveriam constar na primeira pagina de procura. Desisti e fui para o americano, pois se nao encontrei o samba da pena de morte, jamais encontraria o artigo do freakonomics, mesmo tendo sido traduzido para nosso idioma.

Anúncios